Seringal Guapimirim 2017

Go to content

Main menu

Importância da Cultura

História

A seringueira [Hévea Brasiliensis (Willd. Ex Adr. De Juss.)Muell-Arg.] é a maior fonte de borracha natural, matéria prima utilizada no transporte, indústria, material bélico, etc. Atualmente existe no mercado global mais de 50 mil artigos no geral constituídos de borracha, sendo que são necessários cerca de 600 Kg para um aeroplano e 68 toneladas para um navio de guerra.

Única entre os produtos naturais, a borracha natural é possuidora de elasticidade, plasticidade, resistência ao desgaste, propriedades isolantes de eletricidade, e impermeabilidade para líquidos e gases. Obtidas das partículas contidas no látex, fluído citoplasmático extraído continuamente dos vasos laticíferos situados na casca das árvores por meio de cortes sucessivos de finas fatias de casca, processo denominado de sangria.

A borracha sintética obtida do petróleo possui quase a mesma composição química da borracha natural, porém suas propriedades físicas são viáveis para alguns manufaturados, porém, são inferiores para luvas cirúrgicas, preservativos, pneus de automóveis, caminhões, aviões, refrigeração e revestimentos diversos. A espécie H. Brasiliensis é a fonte principal de borracha natural produzida no mundo. Sua produção mundial em 2000 foi de 6.630 mil toneladas, para um    consumo de 7.361mil toneladas do qual mais de 75% é originária do sudeste asiático, como a Tailândia (36%), Indonésia (23%) e Malásia (8%). Em 2000, a Tailândia produziu, 2.346 mil toneladas, Indonésia 1.556 mil toneladas e Malásia 615 mil toneladas. No mesmo ano, o Brasil produziu 88,0 mil toneladas, menos de 1,0% da produção mundial.

Os maiores consumidores são os Estados Unidos seguido dos países da Comunidade Européia, China e Japão. A Ásia como um todo consome 42% da borracha natural produzida. Tanto a Índia como a China produzem atualmente cada, cerca de 629 mil toneladas de borracha, respectivamente. A Índia consome tudo que produz e tem a mais alta produção por hectare (1300 Kg/há/ano) em propriedades familiares e a China produz quase metade do seu consumo. A indústria de pneumáticos consome quase três quartos da borracha produzida no mundo. As três maiores marcas de pneus (Michelin, Bridgestone e Goodyear) contribuem com quase 55% da produção mundial de pneus. As demais como as continental Dunlop e Pirelli produzem em torno de 20% (média mundial), 50% em pneus de veículos utilitários, e mais de 80% em caminhões pesados e 100% em tipo de pneus do tipo especiais 7 como é o de avião.

O Brasil, berço do gênero Hévea, continua sendo um país importador de borracha natural. Para um país que possui, em relação aos demais países produtores, área incomparavelmente maior para o plantio de seringueira, o déficit de produção significa, no mínimo, descaso para um produto estratégico de tão alto valor econômico-social. Segundo dados oficiais da CONAB, em 2001, para um consumo de 245 mil toneladas, foram importadas 149 mil toneladas de borracha natural. Neste mesmo ano, o Brasil atingiu a produção recorde de 95 mil toneladas. Deste total, no mesmo ano os seringais paulistas participaram com 44% da borracha produzida no país (45.000 T.), evidenciando a crescente importância no suprimento de borracha para a indústria nacional, conferindo ao estado de São Paulo a condição de primeiro produtor de borracha natural do Brasil. Particularizando as áreas de escape, só o estado de São Paulo possui 14 milhões de hectares aptos a heveicultura. O estado de São Paulo contava em 2001 com cerca de 49.000 hectares plantados com seringueira, abrangendo cerca de 2.500 heveicultores, ou seja, uma média de 19,66 há por heveicultor. Várias regiões do estado são aptas à heveicultura, entre elas as mais conhecidas são São José do Rio Preto, Barretos, General Salgado, Catanduva, Tupã, Votuporanga, etc, todas situadas no Planalto Ocidental do estado englobando 90% da área plantada, onde situa-se a região mais importante do cultivo, notadamente pelas condições climáticas que minimizam o risco de insucesso.

Os seringais paulistas são os mais produtivos do Brasil, com produtividade média superior a 1.300 Kg/borracha/há/ano. Esta produtividade média coloca o estado de São Paulo entre os mais produtivos do mundo quando comparado com as médias dos tradicionais países produtores: Tailândia 1.100 Kg/há, Indonésia 750 Kg/há e Malásia 1.000 Kg/há. Estes três países juntos contribuem com mais de 75% da produção mundial, e 85% desta produção é originária de pequenas propriedades familiares. A previsão de economistas internacionais é de que as curvas de produção e consumo venham a divorciar-se nesse milênio, quando o mundo, no ano 2020, estará produzindo cerca de 7,06 milhões de toneladas, diante de um consumo de 9,71 milhões de toneladas.

Back to content | Back to main menu